Ache aqui o que você procura!

quarta-feira, 16 de março de 2011

Quando a implicância é sinal de amor

Das muitas histórias que presenciei no hospital neste final de seman uma me chamou particularmente a atenção. Um senhor, não sei precisar a idade, sofreu um avc há cerca de um mês. Solteiro e sem filhos, mora perto de uma irmã que é viuva. Não sei dizer quantos irmãos tem, mas além dessa que mora próximo e é quem mais tempo passa com ele no hospital, conheci mais dois irmãos e outra irmã mais nova que eu já conhecia pois é uma das "tias" que trabalha com minhas filhas na escolinha.

Nas conversas que tive com seus familiares fiquei sabendo que antes de ficar doente era um homem independente e trabalhador, muito bom e justo. "Ninguém fica triste perto dele" me confidenciou uma das irmãs. As irmãs falaram dele com muito amor e carinho. Pude notar que é mesmo assim através do comportamento dele, embora assim "meio fora do ar" por conta do avc, as conversas e as brincadeiras que faz o tempo todo, levam mesmo a crer ser ele um homem bem humorado e divertido.

Esta irmã mais velha, que toma conta dele no hospital, talvez por ser quem convive mais de perto com ele, é meio implicante e ele tabém implica o tempo todo com ela. Num primeiro momento, achei ela muito estranha. Que mulher mais ranzinza, pensei. Mas fiquei observando e entendi aquela relação. O amor dela é tanto, que ela se preocupa com medo dele cair e bater a cabeça. O homem está magrinho, fraco, mas teima em querer fazer as coisas sozinho, mas ela não deixa e o segura com força pelos braços. e ele, é claro, resmunga.

Mas embora pareça brutalidade, é puro amor. E ele, apesar de implicar o tempo todo com ela, quano ela não está, pergunta por ela o tempo todo e até diz que sonha com ela. Ao mesmo tempo em que me diverti muito ouvindo as histórias dele que um pouco são bem lúcidas e outro pouco são devaneios de uma mente corroída pela doença, também me enterneci observando o carinho e o amor entre aqueles irmãos. Os homens, embora tenham falado pouco comigo, também demonstraram imenso amor e cuidado com aquele irmão doente, dando trela pras suas conversas, auxiliando-o nos momento em que necessitava, cobrindo seu corpo frágil para protegê-lo do ar frio da noite.

Histórias de amor assim sempre me comovem. Amor puro, incondicional e sem pedir nada em troca. Acho que essa é a verdadeira essência do amor.




.
Comentários
13 Comentários

13 comentários:

  1. Tem uma amiga que sempre diz: amor brutal. E é isso, bruto pois está sendo lapidado todos os dias!

    ResponderExcluir
  2. Esse amor tão difícil de encontrar hoje em dia.
    Graças a Deus eu tenho, poucos mas bons.

    Esse amor é bonito de se ver né?

    beijos

    ResponderExcluir
  3. meu marido implica bastante comigo e diz q é amor...acredito...mas a implicância entre irmãos pequenos me estressa,rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Mto intrigante ne Tuka. So as pessoas q vivenciam de fato esse tipo de amor é q sabem o valor de cada gesto, cada atitude, cada detalhe! Olhar nao e o mesmo q enxergar.... a principio apenas olhamos, mas qdo nos dispomos em ver alem, percebemos qtas coisas lindas em gestos pequenos, podemos vivenciar.
    bjos amiga

    ResponderExcluir
  5. Oi Tuka, ontem tentei passar por aqui mas a net estava muito ruim.
    Eu já estou bem, graças a Deus tudo se resolveu da melhor forma possível e meu coração esta em paz.
    Quanto ao post, já convivi com uma vizinha que cuidou muitos anos do marido inválido e a relação era como você descreveu. As vezes os dois velhinhos até se agrediam, mas ninguém podia negar o amor e o companheirismo entre eles.
    E mesmo ela sendo quase tão doente quanto ele, cuidava do marido sozinha e com todo zelo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi querida!

    Sou irmã do meio de 3, e tenho 3 filhos então digo com muita certeza: implicância é sinônimo de amor!

    Já fiz um post sobre isso no blog, meus filhos VIVEM atracados, cão e gato, tapas e beijos, amor e ódio e não se largam! Qdo Pedro cai e se machuca por exemplo, Stella é a 1ª a correr e pegá-lo. E Stella sente falta dele até qdo ele está dormindo! Sobra até pro Leo que emsmo seme ntender tudo por conta da paralisia cerebral, leva uns 'pedala robinho' pelo simples prazer de implicar! rs!

    Beijo grande, adorei o post! =))

    ResponderExcluir
  7. http://anabelanacasadavovo.blogspot.com/
    Vim buscar uma esmola para São José!

    ResponderExcluir
  8. Existe tantas formas de amar né?! Eu sou das mais implicantes, principalmente no quesito 'cuidado', vivo chamando a atenção do meu marido pra diversas brincadeiras q ele faz com nosso filho, o pequeno se diverte é claro, mas eu sou mto cautelosa (as vezes demais. Isso acaba atrapalhando um pouco pq as vezes me torno até chata .. rs mas é amor, é cuidado..

    ResponderExcluir
  9. Existe tantas formas de amar né?! Eu sou das mais implicantes, principalmente no quesito 'cuidado', vivo chamando a atenção do meu marido pra diversas brincadeiras q ele faz com nosso filho, o pequeno se diverte é claro, mas eu sou mto cautelosa (as vezes demais. Isso acaba atrapalhando um pouco pq as vezes me torno até chata .. rs mas é amor, é cuidado..

    ResponderExcluir
  10. Oi querida!

    Sou irmã do meio de 3, e tenho 3 filhos então digo com muita certeza: implicância é sinônimo de amor!

    Já fiz um post sobre isso no blog, meus filhos VIVEM atracados, cão e gato, tapas e beijos, amor e ódio e não se largam! Qdo Pedro cai e se machuca por exemplo, Stella é a 1ª a correr e pegá-lo. E Stella sente falta dele até qdo ele está dormindo! Sobra até pro Leo que emsmo seme ntender tudo por conta da paralisia cerebral, leva uns 'pedala robinho' pelo simples prazer de implicar! rs!

    Beijo grande, adorei o post! =))

    ResponderExcluir
  11. Oi Tuka, ontem tentei passar por aqui mas a net estava muito ruim.
    Eu já estou bem, graças a Deus tudo se resolveu da melhor forma possível e meu coração esta em paz.
    Quanto ao post, já convivi com uma vizinha que cuidou muitos anos do marido inválido e a relação era como você descreveu. As vezes os dois velhinhos até se agrediam, mas ninguém podia negar o amor e o companheirismo entre eles.
    E mesmo ela sendo quase tão doente quanto ele, cuidava do marido sozinha e com todo zelo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Mto intrigante ne Tuka. So as pessoas q vivenciam de fato esse tipo de amor é q sabem o valor de cada gesto, cada atitude, cada detalhe! Olhar nao e o mesmo q enxergar.... a principio apenas olhamos, mas qdo nos dispomos em ver alem, percebemos qtas coisas lindas em gestos pequenos, podemos vivenciar.
    bjos amiga

    ResponderExcluir
  13. Tem uma amiga que sempre diz: amor brutal. E é isso, bruto pois está sendo lapidado todos os dias!

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...