Ache aqui o que você procura!

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sem comentários!

Outro dia vi minha amiga blogueira Mari Hart (Blog Diário de uma mãe polvo) falando sobre os visitantes fantasmas do seu blog. Na ocasião, ela falava que embora receba algo em torno de 2mil visitas diárias, os comentários se resumem a meia dúzia. No meu blog que recebe 1/3 de visitas do dela, o formulário de comentários às vezes fica às moscas.

Não deixei comentário (ops!), mas fiquei pensando sobre o assunto e cheguei a algumas conclusões baseadas em minha própria experiência.

Eu ando tão estimulada a comentar em blogs, como estou em blogar (ou seja, nível próximo de zero) então não tenho comentado muito mesmo. Nem quando o assunto me interessa.

Comentarios

Um dos motivos que me levaram a esse desinteresse todo é a tal da lei da reciprocidade. É uma lei não escrita, onde subentende-se que todo mundo que comenta espera uma visita de retorno. Não tenho nada, absolutamente, contra isso. O que me incomoda é só receber comentários de blogs onde comentei antes ou parar de receber comentários de alguém que os fazia regularmente só porque falhei algumas postagens suas.

Nada contra em visitar os blogs de quem me visita, mas me reservo o direito de comentar naqueles cujo assunto tem a ver comigo, onde tenho uma opinião a respeito. Não gosto de comentários “genéricos” ou superficiais, já fiz muito isso para manter a política de boa vizinhança e isso acabou por me tirar tempo e acabar com o prazer de comentar e até mesmo de ler os blogs dos quais mais gosto.

Também fiz parte de grupos de blogueiras, isso foi muito bom pois me fez conhecer pessoas incríveis e blogs muito bons, mas acabou por criar uma obrigação de comentar em blogs que nada tem a ver comigo. Não que sejam blogs ruins, muito pelo contrário, mas falam de uma realidade muito diferente da minha. Ler vez ou outra pode ser legal, mas todo dia e por obrigação… Não, muito obrigada!

CB5

Sei que às vezes é legal alguém passar pelo blog só pra dizer um “oi”, mas que isso seja espontâneo e verdadeiro. Se ninguém mais ler o meu blog, paciência. Significa que preciso escrever melhor, mudar os assuntos, melhorar muita coisa. Mas se meia dúzia ler, que seja porque gosta, porque se identifica, porque aprende alguma coisa.

Nem só de comentários vive um blog. Recebo muito mais feedback anônimo (ou que ficam no anonimato) por email, msn, mensagens privadas nas redes sociais e até pessoalmente. Gente que não sabe ou não quer comentar abertamente mas se recusa a fazer comentário anônimo até porque deseja uma resposta.

O comentário é um carinho que a gente recebe e é muito bom sim. Mas é melhor quando é sincero e descompromissado. Por isso parei de me preocupar com a quantidade de comentários ou até se eles existem. Sei que independente deles, meu blog atinge positivamente muitas pessoas e é isso que realmente importa.

Depois de tudo isso, pode parecer um contrassenso o que vou dizer, mas… COMENTA AÍ!

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Sobre novelas

Com a “comoção nacional” que foi o final da novela Avenida Brasil e com o início de mais uma saga do horário nobre, muitas discussões foram levantadas nas redes sociais.

Eis que resolvi dar minha opinião sobre o assunto.

Há quem diga que novelas são “lixo cultural”. Pode até ser. Mas as novelas só retratam a nossa sociedade. Pode não ser um retrato fiel, afinal se tratam de obras de ficção, mas tudo o que é mostrado ali, vinganças, ambições, casais polígamos, traições, corrupção, piriguetes e tudo mais, não foram inventadas pelos autores de novelas. Ao contrário, eles se inspiram na vida real para criar os seus folhetins.

Na literatura clássica, ou mesmo na contemporânea, dita como cool, também tem isso tudo e mais um pouco. Só o formato é que é diferente.

O que tornam as novelas um verdadeiro lixo cultural é a falta de senso crítico de quem as assiste. Tomam o que veem na TV como verdades absolutas ou comportamentos a serem seguidos, imitados.

E essa falta de senso crítico, na minha humilde opinião, começa quando os pais proíbem os filhos de assistirem à TV em vez de assistirem juntos e discutirem os temas expostos.

familia-tv

Respeitadas as faixas etárias, aquilo que cada idade tem capacidade pra entender, é uma boa fonte de inspiração para conversas familiares, onde os pais questionam os filhos sobre o que estão vendo e colocam para eles o que é certo ou errado, apresentam seus valores, propõem alternativas aos comportamentos nocivos dos personagens. Em síntese, novelas ou outros programas de TV são uma ótima maneira de se preparar os filhos para o mundo real, aquele que eles enfrentarão do lado de fora da porta de casa.

Sinceramente, me acho inteligente demais para ser iludida por romances, para ser induzida a comprar isso ou aquilo, para ter meu comportamento alterado por uma novela. Ao contrário, acho que muitos assuntos abordados nas novelas são relevantes e nos levam à reflexão e essa sim – a reflexão – pode nos levar a mudar nossas opiniões e a mudanças de atitudes.

Outro comportamento que acho errado com relação às novelas, são pessoas que deixam de fazer qualquer outra coisa na vida porque TEM QUE assistir à novela. Em tempos de internet, perder um capítulo - ou dez – não deixa ninguém desatualizado da trama. Ficar preso à novela é que afeta o discernimento.

Quanto ao final de Avenida Brasil, achei muito bom. A vilã se arrependeu, mas não ficou boazinha da noite para o dia, continuou azeda e estúpida, o que deu mais realidade, mais humanidade à ela.

E não há como negar que esse “lixo cultural” é feito com muita qualidade e nossas novelas são as melhores do mundo.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Lição de vida

Recebi este texto por email da minha amiga querida Liane e achei valioso demais para compartilhá-lo somente com alguns poucos amigos via email.

Acompanhem a história:

Um jovem de nível acadêmico excelente, candidatou-se à posição de gerente de uma grande empresa. Passou na primeira entrevista e o diretor fez a última e tomou a decisão.

O diretor descobriu através do currículo que as suas realizações acadêmicas eram excelentes em todo o percurso, desde o secundário até à pesquisa da pós-graduação e não havia um ano em que não tivesse pontuado com nota máxima.

O diretor perguntou, "Tiveste alguma bolsa na escola?" o jovem respondeu, "nenhuma".

O diretor perguntou, "Foi o teu pai que pagou as tuas mensalidades?" o jovem respondeu, "O meu pai faleceu quando tinha apenas um ano, foi a minha mãe quem pagou as minhas mensalidades."

O diretor perguntou, "Onde trabalha a tua mãe?" e o jovem respondeu, "A minha mãe lava roupa."

O diretor pediu que o jovem lhe mostrasse as suas mãos. O jovem mostrou um par de mãos macias e perfeitas.

O diretor perguntou: "Alguma vez ajudaste a tua mãe a lavar as roupas?", o jovem respondeu, "Nunca, a minha mãe sempre quis que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, a minha mãe lava a roupa mais depressa do que eu."

Imagem: daqui

O diretor disse: "Eu tenho um pedido.  Hoje, quando voltares, vais e limpas as mãos da tua mãe, e depois vens ver-me amanhã de manhã."

O jovem sentiu que a hipótese de obter o emprego era alta. Quando chegou a casa, pediu feliz à mãe que o deixasse limpar as suas mãos. A mãe achou estranho, estava feliz mas com um misto de sentimentos e mostrou as suas mãos ao filho.

O jovem limpou lentamente as mãos da mãe. Uma lágrima escorreu-lhe enquanto o fazia. Era a primeira vez que reparava que as mãos da mãe estavam muito enrugadas, e havia demasiadas contusões nas suas mãos. Algumas eram tão dolorosas que a mãe se queixava quando limpava com água. Esta era a primeira vez que o jovem percebia que este par de mãos que lavavam roupa todo o dia tinham-lhe pago as mensalidades. As contusões nas mãos da mãe eram o preço a pagar pela sua graduação, excelência acadêmica e o seu futuro. Após acabar de limpar as mãos da mãe, o jovem silenciosamente lavou as restantes roupas pela sua mãe.

Nessa noite, mãe e filho falaram por um longo tempo.

Na manhã seguinte, o jovem foi ao gabinete do diretor.

O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do jovem e perguntou: "Diz-me, o que fizeste e aprendeste ontem em tua casa?"

O jovem respondeu: "Eu limpei as mãos da minha mãe, e ainda acabei de lavar as roupas que sobraram."

O diretor pediu: "Por favor diz-me o que sentiste."

O jovem disse: "Primeiro, agora sei o que é dar valor. Sem a minha mãe, não haveria um eu com sucesso hoje. Segundo, ao trabalhar e ajudar a minha mãe, só agora percebi a dificuldade e dureza que é ter algo pronto. Em terceiro, agora aprecio a importância e valor de uma relação familiar."

O diretor disse: "Isto é o que eu procuro para um gerente. Eu quero recrutar alguém que saiba apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conheça o sofrimento dos outros para terem as coisas feitas, e uma pessoa que não coloque o dinheiro como o seu único objetivo na vida. Estás contratado."

Mais tarde, este jovem trabalhou arduamente e recebeu o respeito dos seus subordinados. Todos os empregados trabalhavam diligentemente e como equipe. O desempenho da empresa melhorou tremendamente.

Uma criança que foi protegida e teve habitualmente tudo o que quis, vai desenvolver- se mentalmente e vai sempre colocar-se em primeiro. Vai ignorar os esforços dos seus pais, e quando começar a trabalhar, vai assumir que toda a gente o deve ouvir e quando se tornar gerente, nunca vai saber o sofrimento dos seus empregados e vai sempre culpar os outros. Para este tipo de pessoas, que podem ser boas academicamente, podem ser bem sucedidas por um bocado, mas eventualmente não vão sentir a sensação de objetivo atingido. Vão resmungar, estar cheios de ódio e lutar por mais. Se somos esse tipo de pais, estamos realmente a mostrar amor ou estamos a destruir o nosso filho?

Pode deixar o seu filho viver numa grande casa, comer boas refeições, aprender piano e ver televisão num grande plasma. Mas quando cortar a grama, por favor deixe-o experienciar isso. Depois da refeição, deixe-o lavar o seu prato juntamente com os seus irmãos e irmãs. Deixe-o guardar seus brinquedos e arrumar sua própria cama. Isto não é porque não tem dinheiro para contratar uma empregada, mas porque o quer amar como deve de ser. Quer que ele entenda que não interessa o quão ricos os seus pais são, um dia ele vai envelhecer, tal como a mãe daquele jovem. A coisa mais importante que os seus filhos devem entender é a apreciar o esforço e experiência da dificuldade e aprendizagem da habilidade  de trabalhar com os outros para fazer as coisas.  
 
Quais são as pessoas que ficaram com mãos enrugadas por mim? O valor de nossos pais.
 
Um dos mais bonitos textos sobre educação familiar que já li...leitura obrigatória para nós pais e, principalmente, para os filhos.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Fampyra - Petição Pública

Recebi um comentário hoje, numa postagem antiga (que pode ser visto aqui) e achei de muita importância para ficar perdido lá atrás no blog.

Por isso resolvi reproduzi-lo aqui, para que todos possam vê-lo, pois é de interesse de todos os portadores de Esclerose Múltipla, bem como de seus amigos, familiares e cuidadores.


"Meu pai é portador de Esclerose Múltipla (EM). Diagnosticado em 2003, a EM é uma doença que atinge o sistema nervoso central, degenerativa autoimune, sem causas conhecidas e sem cura até o momento.

Todos os tratamentos ministrados desde então, são em busca da manutenção do estado de saúde, contudo, a medicação existente no Brasil hoje não da conta do tratamento.

Recentemente, um laboratório nos EUA o Biogen Idec, lançou uma medicação Fampyra, que vem apresentado um excelente resultado nos casos de EM, nos três meses em que ministramos o tratamento, tivemos significativas melhoras no quadro de saúde.


Contudo,este medicamento somente é liberado pela comercialização nos EUA e recentemente nos países da Europa. O custo da medicação e muito alta e recentemente o poder judiciário afastou a obrigação do estado em fornecer a medicação em função da inexistência do registro da Anvisa.

Por isto, estamos mobilizando um abaixo assinado para que se regularize esta situação o mais rápido possível, para que não só o meu pai, mas para que muitas outras pessoas que estão dependendo desta medicação possam ter um tratamento digno e uma melhor qualidade de vida, já que não há cura para a EM.


O documento está disponível no link abaixo:

http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N29736

Desde já agradeço.


Ana Nicolay"

Leiam com atenção, assinem a petição e espalhem para o maior número de pessoas possível. Todo medicamento que produz uma melhora significativa da qualidade de vida de um paciente de EM merece ter essa atenção especial.

Obrigada a todos que ajudarem. Obrigada Ana por partilhar essa informação.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...