Ache aqui o que você procura!

sábado, 12 de maio de 2012

Sentimentos fora do script


Share

Esta semana como era de se esperar, houve homenagens às mães nas escolas das crianças. Na quinta-feira foi na da Aline e Camila. Muito bonitinho tudo. Chorei (só pra variar), minhas filhas eram as mais lindas de toda a escola (vai dizer que não?) e ganhei presentes confeccionados por elas. Lindos. 

Na sexta foi a vez da Letícia. Como as crianças são todas ainda muito pequenas, quem cantou para as mães foram as professoras e as crianças só acompanharam. Lindo demais! Também ganhei presente lindo feito pela minha caçula.

Até aí, tudo bem. Mas a pequena quando me viu, não quis mais ficar com os outros e fez um chororô pra vir para o meu colo. Quando começaram as homenagens e eu comecei a me emocionar, me abracei nela e foi neste momento que os sentimentos saíram do script.

Senti-me mal, culpada, triste, a própria mãe de merda. Constrangida de estar ali representando o papel da mãe amorosa me lembrando de todas as vezes que perdi a paciência com minhas filhas.

Veio-me à mente todas as vezes que permiti que o meu descontrole emocional fosse maior que a necessidade de minhas crianças de ganhar um pouquinho de atenção.

Muitos poderão me dizer: mas são três crianças, elas agitam, fazem barulho, teimam. É normal perder a paciência às vezes. Tudo bem, mas isso deveria ser uma exceção e não a regra.

Quantas vezes minha intolerância ao barulho que me desorienta e irrita, teve mais importância que aqueles olhinhos curiosos que me perguntavam algo, só porque ao mesmo tempo outro par de olhos escorriam lágrimas porque brigou com a irmã que por sua vez grita descontrolada porque a outra pegou o seu brinquedo.

Quantas vezes minha TPM gritou tão alto que nem fui capaz de ouvir que aquela algazarra toda que elas faziam era de alegria e contentamento e gritei ainda mais alto para que ficassem quietas?

Quantas vezes minha fadiga da EM ou o meu cansaço corriqueiro me impediram de brincar com elas, de contar-lhes uma história, de ouvir o que elas tinham pra me contar?

Quantas vezes deixei minha paciência acabar? Quantas vezes eu me irritei? Quantas vezes não as ouvi? Quantas vezes não as olhei com ternura? Quantas vezes deixei-as chorar? Quantas vezes as fiz esperar pelo meu carinho? Quantas vezes eu as apressei? Quantas vezes eu falhei, errei, me omiti?


Ao mesmo tempo em que pensava nas minhas falhas como mãe, pensava na minha própria mãe e das acusações que já fiz a ela. Das injustiças que cometi, das cobranças que fiz. Das vezes que fiz questão de ferir seus sentimentos, de provocar nela culpa e sofrimento.

Penso nas falhas da minha mãe, mas sei que cometi muitas delas (e outras piores) com o Allyson, meu primogênito e cobaia de uma mãe em fase de testes. Vejo que tenho os mesmos conflitos de gerações com minha filha Yasmin e que ouço dela as mesmas barbaridades que já disse um dia à minha mãe.

Lembrei-me então do quanto amo minha mãe, mesmo achando que ela cometeu alguns erros, que podia ter feito algumas coisas diferentes. Independentemente de qualquer coisa que tenha dado errado na nossa relação, meu amor por ela não diminui. Nossa ligação, nosso vínculo, nossa amizade e companheirismo existem apesar de qualquer desavença.

Temos nossas diferenças e as teremos sempre, da mesma forma que as tenho com a Yasmin. Por mais que sigamos uma mesma linha de pensamento, temos opiniões e posições conflitantes. Mas isso não impede que a gente se ame.

Da mesma forma, SEI que meus filhos me amam. Sinto isso no olhar do meu filho e no calor do seu abraço quando a gente se encontra. Sinto na alegria espontânea da minha filha quando brinca comigo, e me abraça mesmo a gente tendo brigado feio 20 minutos antes. Sinto no olhar de admiração das gêmeas e na voz delas chamando mamãe. Sinto no sorriso da Letícia e nos seus bracinhos ao redor do meu pescoço quando lhe dou um beijo de boa noite.

Mas penso que poderia ser melhor. Eu poderia deixar nelas só lembranças e sensações boas. Elas não precisam também ter mágoas ou frustrações, carências ou angústias deixadas por uma mãe sem paciência, sem calma, sem energia, sem disposição.

Eu bem que poderia me lembrar dessas coisas ANTES de perder a paciência e o controle, porque mesmo depois de sentir tudo isso lá na festinha, voltei a perder a paciência e o controle com elas horas depois.

Agora, na véspera do dia das mães, peço à minha mãe, ao meu filho e minhas filhas que me perdoem e a Deus que me dê mais paciência, tolerância e energia para tratar com meus filhos e também com minha mãe. Mas sei que esse presente, eu é que tenho que me dar. É um aprendizado que terei que fazer.

Refletindo sobre tudo isso, desejo um Feliz dia das mães para todas as mães. Que todas nós sejamos capazes de aprender com nossos erros e mudar aquilo que podemos, sem nos deixar corroer pela culpa daquilo que já passou e não pode mais ser modificado.

Um beijo especial à minha mãe, que amo muito e queria estar pertinho.


Por: Tuka Siqueira / @TukaSiqueira
Comentários
12 Comentários

12 comentários:

  1. Eita Tuka, me fazendo chorar logo cedo no sábado???

    Eu tenho essas coisas também, de achar que eu poderia ter mais paciência, dar mais atenção... buscando meus erros com lentes de aumento e esquecendo tudo o que me faz uma boa mãe...
    Um dia eu estava conversando com uma prima que é pedagoga e estávamos falando exatamente sobre esse sentimento, sobre o quanto erramos sabendo que estamos errando, sobre quantas vezes dizemos um não automático... e mesmo tendo plena consciência disso, continuamos cometendo os mesmos erros... não adianta, somos assim mesmo, imperfeitas... e por mais que a gente lute, por mais que tentemos mudar, por mais que mudemos mesmo, nunca mudaremos esse nosso sentimento, de estar sempre errando. Isso é ser mãe... mas quem sou eu falando isso para você, que para mim, depois da minha, é a melhor mãe que eu conheço???

    Mais uma vez minha querida amiga do meu coração, te desejo um dia das mães feliz e abençoado. Um grande beijo e aquiete esse seu coração que é maior que o mundo!!!

    ResponderExcluir
  2. Que que é isso Tuka??? Fazendo a gente se debulhar em lágrimas logo cedo no sábado???
    Sabe minha querida, sou mãe a pouco tempo, marinheira de primeira viagem e já senti muitas dessas sensações... A falta de paciência então... Quanta culpa sinto por isso. Um serzinho tão pequeno, completamente dependente de mim e eu, sem paciência muitas vezes.
    Sei que uma parte disso é bem culpa da nossa  fiel companheira, mas sei tb que não podemos deixar ela nos dominar. Peço a Deus muita paciência, para superar tudo isso.
    Peço perdão por todas as vezes que briguei e não compreendi minha mãe. Depois de um tempo entendemos e enxergamos que na grande maioria da vezes foi tudo pensando no nosso bem e elas estavam certíssimas.
    Mas sei que mesmo errando muito, damos o nosso melhor, todo nosso amor aos nossos filhos.
    Vc é um exemplo de mãe, de mulher, de lutadora. Parabéns por ser essa mulher de fibra, de coragem, de garra que vc é.
    Pode ter certeza, tens mais acertos que erros. Somos humanas e erramos mesmo...
    Feliz dia da mães pra vc!!!
    Obrigada por me ensinar muito a ser mãe, mulher e portadora de esclerose múltipla.

    ResponderExcluir
  3. Feliz dia das maes!!! Tenha um otimo domingo....bjus

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pela visita lá no blog!
    Sabe que, enquanto eu lia esse texto, eu pensava assim o tempo todo:"ela tem filhas em duas escolas diferentes?". querida, acho que vc não tem mesmo é que se culpar de nada. Mães, acimade tudo, são humanas, não é:? Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, amiga ! Um dos mais belos textos dos dias das mºaes que já li. Em geral, só falamos das coisas boas e vc acabou por tocar nas em feridas que também temos todas nós ! Espero que vc tenhtido um lindo domingo ao lado da sua prole. Um grande abraço e uma ótima semana pra vc !

    ResponderExcluir
  6. Que texto mais lindo! Tá tudo dito! Bjo Tukinha

    ResponderExcluir
  7. Ai Tukinha que lindo o texto, que boa reflexão!
    #amigacomenta
    PS tá sumida hein!!!

    ResponderExcluir
  8. Não podemos ser só Amor o tempo todo, somos humanas, nos estressamos tb!!QUantas vezes perdi a a paciência e me vi gritando e perdendo as "estribeiras" por aqui!!Minha filha já entende e eu sempre converso com ela que não gosto de ficar assim!

    ResponderExcluir
  9. Não tem que se cobrar tanto. ë natural. Nós não somos perfeitas, somos humanas. Nos cansamos, ficamos irritadas... ë muito coisa acontecendo ao mesmo tempo.
    Essa reflexão com certeza já vai fazer "segurar as pontas" na hora do stress.

    Bjosssss
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  10. Tuka, isso é normal, eu tbém me pego pensando nisso, quando na rua beijo e abraço meus filhos, tem hora que penso se não estou querendo passar uma imagem legal, em casa tbém me estresso, perco a paciênia, grito, não dou atenção, mas é tudo muito complexo, são sentimentos muito confusos... isso é ser mãe...
    Hoje vc entende a sua mãe, como eu entendo a minha e todas as coisas que ela passou na vida por nós, e por não poder falar reagia de inúmeras maneiras que nós crianças não entenderíamos...
    Hj na fase que estou passando vejo meus filhos muuuito mais participantes de tudo, coisa que nossos pais não faziam, com certeza isso ajudará que eles entendam muitas das minhas atitudes... Não se culpe, vc é a melhor que pode ser, acredite nisso... eu acredito e seus filhos acreditam tbém, pode ter certeza...Mil bjs,sua linda!!!!

    ResponderExcluir
  11. Poxa, comentei gigante e sumiu, uma pena, só vou lembrar o final, vc é a melhor mãe que pode ser e seus filhos tem certeza disso... somos seres imperfeitos, mas buscamos nos acertar todos os dias... grande bj,querida!!!

    ResponderExcluir
  12. Eu acho que toda mãe passa por isso,passamos a vida sentindo culpa por alguma coisa,deve fazer parte do pacote...rsrsrsrs

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...