Ache aqui o que você procura!

terça-feira, 27 de março de 2012

Esclerose Múltipla e maternidade


Share


O objetivo deste post é mostrar que Esclerose Múltipla e maternidade são sim compatíveis.

Quando fiquei grávida das gêmeas meu neurologista ficou muito surpreso pois nas pesquisas que ele fez tanto no Brasil quanto no exterior, não haviam registros de outro caso de mãe portadora de Esclerose Múltipla que tivesse gerado gêmeos numa gravidez espontânea (sem fertilização ou métodos assistidos).

Meses após o nascimento delas houve um evento para portadores, familiares e cuidadores e fui convidada a dar um depoimento a respeito da minha gestação. Foi um depoimento curto, coisa de 10 minutos, mas virei uma espécie de símbolo.

À partir daí, sempre que uma mulher portadora de EM pensa em engravidar ou se descobre grávida, eu sou apontada como referência e “consultada”. O alvo dessas consultas são principalmente o medo de surtos durante a gestação, dos efeitos das medicações sobre o feto e também das condições de se cuidar de um bebê tendo uma doença tão séria.

Meu papel nesses casos é passar tranqüilidade, mostrar que a gestação é possível e que dar conta é uma questão pessoal, que precisa ser pensada e analisada de acordo com o nível de comprometimento que a doença causa em cada um e da ajuda com a qual se poderá contar. Estando ou não numa crise de fadiga ou em pleno surto, filhos precisam de atenção e cuidados. É melhor ter a certeza de poder contar com alguma ajuda, pelo menos nos momentos mais críticos. Aqui a palavra chave é adaptação.

A doença não é hereditária, porém é genética. Mas os riscos de filhos de portadores serem também portadores da doença é minimamente maior do que de filhos de não portadores. Um valor quase desprezível.

A gravidez tem função imuno-moduladora, o que faz com que os surtos sejam raros nesse período, porém a incidência é comum logo após o parto, por isso o acompanhamento do neuro durante a gestação é imprescindível, assim como uma boa comunicação entre o neuro e o GO.

Quanto às preocupações com os efeitos das medicações, passo sempre os contatos do SIAT, serviço sobre o qual já falei aqui e que me deu todo o suporte que eu precisei.

A amamentação costuma ser contra-indicada pelos médicos pela necessidade de se fazer uso da medicação o quanto antes para evitar aqueles surtos pós-parto. O estresse hormonal e físico acarretado pela chegada de um bebê são fatores desencadeadores de surtos, por isso se faz urgente a administração da medicação tão logo o bebê nasça.

No meu caso específico, teimei com o médico e amamentei até o sexto mês, mas paguei minha desobediência com um surto.

Esta é uma visão simples e objetiva da maternidade com EM, mas na prática pode não ser tão simples assim. Decidir-se pela maternidade deve ser um ato muito consciente e discutido sob todos os aspectos tanto em família, quanto entre os profissionais de saúde que te atendem. Independentemente de se ter ou não EM. Ser mãe é mágico, sublime e divino, mas não é fácil. Mas também não é difícil se a pessoa tem a real consciência do que isso significa.

Em síntese: ser mãe sendo portadora de esclerose múltipla pode dificultar um pouco mais as coisas, mas não ao ponto de se abdicar do desejo da maternidade. Eu e essas carinhas lindas aí da foto somos a prova disso.



Por: Tuka Siqueira / @TukaSiqueira
Comentários
15 Comentários

15 comentários:

  1. Oieee,

    Tuka, vc é um exemplo de coragem mesmooo!! É muito bom q todas as pessoas possam ter este cantinho aqui pra se inspirar e criar coragem!! ;)

    Bjos!!

    Loreta#amigacomenta;)
    @bagagemdemae 

    ResponderExcluir
  2. ola querida..saiba que pra Deus td é possivel...estou ainda na luta de engravidar ,conto com suas orações..bjinhos vou orar por vc tbm..bjs fik em paz.

    ResponderExcluir
  3. meu blog é 
    http://rodelovasonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Com certeza, Tuka, vc é exemplo para muita gente. Não só pela doença, mas pela garra, determinação e maneira como ultrapassa todas as dificuldades para dar conta da sua linda família. Um grande abraço e um feliz dia pra vc

    ResponderExcluir
  5. Tuka, parabéns! Que exemplooooo!
    Estou literalmente abismada com esse post, de tão lindo.
    Obrigada por compartilhar com a gente algo tão íntimo e profundo ;)
    Beijos!
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  6.  Obrigada! O que me da coragem é o carinho que recebo em troca. bjs

    ResponderExcluir
  7.  Na torcida Rosana, não me esqueço de você. bjs

    ResponderExcluir
  8.  Oi Ana, tuas palavras me enchem de alegria e conforto.Obrigada. bjs

    ResponderExcluir
  9. Tudo posso naquele que me fortalece, afinal nao existe impossivel para Deus!!!! Beijos minha linda

    ResponderExcluir
  10. Tuka, vc me fez chorar, viu? Fiquei aqui pensando nas dificuldades, mas em tb como nada é impossível!!! Parabéns pela sua coragem. Seus filhos são lindos.
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  11. Que belo exemplo o seu. Tenho certeza que ser mãe te deu ainda mais forças para enfrentar essa doença.

    Parabéns pela linda família!
    Abraços

    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  12. Obraigada Dany! A coragem é algo que se impõe.Ou a gente enfrenta os desafios que a vida nos apresenta, ou sucumbe.

    Bjs

    ResponderExcluir
  13.  Isso é certo Paula. Meus filhos me movem.

    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Tuka, belo post! Acho que vc vira referência a partir do momento que assume a doença e se mostra aberta a falar dela naturalmente. E tenho certeza que isso tem a contrapartida de te ajudar a lidar com a EM sem neuras, mas consciente de suas limitações e de seus limites. Parabéns, vc é guerreira. E que lindos seus filhos!!! bjs 

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...