Ache aqui o que você procura!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

A cigarra e a formiga


Segundo a Wikipédia, A Cigarra e a Formiga é uma das fábulas atribuídas a Esopo e recontada por Jean de La Fontaine.

Tendo a cigarra cantado durante o verão,
Apavorou-se com o frio da próxima estação.
Sem mosca ou verme para se alimentar,

Com fome, foi ver a formiga, sua vizinha,
pedindo-lhe alguns grãos para aguentar
Até vir uma época mais quentinha!

- "Eu lhe pagarei", disse ela,
- "Antes do verão, palavra de animal,
Os juros e também o capital."

A formiga não gosta de emprestar,
É esse um de seus defeitos.

"O que você fazia no calor de outrora?"
Perguntou-lhe ela com certa esperteza.

- "Noite e dia, eu cantava no meu posto,
Sem querer dar-lhe desgosto."

- "Você cantava? Que beleza!
Pois, então, dance agora!"

Só que a história não termina aí. Na MINHA versão, depois de negar ajuda à cigarra e vê-la morrer de fome e frio, a formiga sente-se culpada, fica deprimida e como já sofresse com o stress de trabalhar sem descanso, morre também de um enfarte fulminante.

Achou muito triste? Sinistro? Mas assim tem sido as relações das pessoas. Cada um pensa só em si. A cigarra pensou só na sua diversão, no seu prazer e acabou por morrer de fome. Por sua vez a formiga pensou somente no trabalho e em juntar bens que não conseguiu usufruir porque perdeu sua vida para o remorso e as doenças causadas por uma vida onde não se permitiu ser feliz.

Mas existe uma nova versão para esse final de história. 

Nessa nova versão, após tomar uma carraspana da formiga, a cigarra passa a cobrar cachê para cantar, podendo com isso fazer o que mais a faz feliz e ainda se precaver para o futuro e usar o seu cachê para comprar os mantimentos que a formiga juntava e a formiga aprendeu a divertir-se com a cantoria da sua nova amiga e percebeu que o seu fardo ficava mais leve quando dançava ao som da música e que isso não a impedia de trabalhar. As duas viveram uma vida longa e feliz, cada uma respeitando as escolhas da outra e ajudando-se mutuamente.

#FIM.

Por: Tuka Siqueira / @TukaSiqueira
Comentários
7 Comentários

7 comentários:

  1. Olá
    Quanto tempo eu não passo aqui... adorei este teu post.
    É triste mas é a realidade neste mundo do individualismo... acho incrível como as pessoas vivem sozinhas cheias de vizinhos...

    Mas felizmente ainda se vai encontrando gente boa e feliz... :)

    beijo agora passarei aqui mais frequentemente e o meu cantinho está outra vez no activo :)

    ResponderExcluir
  2. Adorei a última versão!
    Vou contar deste jeito pro JP!
    Beijos
    Ana Carolina
    @anacarolinaqui

    ResponderExcluir
  3. Tuka, como vc é sábia...tenha uma ótima 6ª querida.

    ResponderExcluir
  4. Aiii Tuka, vc não existe querida! rsrs....! Bom, muito bom! Preferi a última tb!

    Beijos imensos!

    ResponderExcluir
  5. Tuka, vc conseguiu melhorar La Fontaine!

    Sabe, a primeira versão para o final da história nos leva a pensar...mas a segunda nos faz ter esperança. E é nesse mundo aí que quero viver.

    Beijo de saudade

    ResponderExcluir
  6. É, Tuka... infelizmente o que mais acontece é o seu primeiro final...
    O segundo final é BEM melhor!
    Mas ainda tenho um terceiro: como já era inverno e todos estavam quietinhos dento de sua casa, a formiga deu abrigo à cigarra e dividiu com ela seu alimento, com a promessa de que a cigarra iria compensá-la no próximo verão e então acontece a sua nova versão feliz! rs
    Esses dias mesmo li essa historinha pra Sofia, q não deve ter entendido direito, mas eu fiquei pensando... enfim, não precisamos ser tão duros, né? Nem tão 'aproveitadores'! rs
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Tuka ,adorei o texto.


    Ah e o outro sobre a mãe que perdeu o filho,é muito forte.
    bjos querida

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...