Ache aqui o que você procura!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

O valor de calar


Se existe algo que venho tentando aprender ao longo da vida, é o valor de calar a boca. Já fiz muitos progressos, mas ainda tenho um longo caminho a percorrer.

Não falo de aceitar placidamente tudo o que me é dito ou feito, mas de não dar respostas atravessadas no calor do momento, aguardar até que os pensamentos se organizem que a razão volte à tona e que os argumentos tenham consistência.

Calar para não ferir, calar para não dizer bobagens, calar para não iniciar ou prolongar uma discussão. Calar para manter razão.

Sempre fui muito afoita, destemperada e destrambelhada. Não raro meto os pés pelas mãos, me alimento de uma raiva momentânea e despejo veneno. Quando me sinto ferida, magoada, reajo tentando ferir também. Só que sempre quem se machuca mais sou eu mesma, primeiro por ter sido magoada, segundo por perder a razão magoando também.

Impropérios, ofensas  e gritos são provenientes justamente da falta de argumentos. E argumento consistente só tem quem para pra pensar. Mesmo tendo razão, se desembestamos a falar sem pensar, perdemos essa razão falando um monte de bobagens.

Tenho aprendido a segurar mais a língua dentro da boca, a contar até 10 (mil) e  ficar quieta. Normalmente depois de certo tempo ruminando os acontecimentos, consigo reunir subsídios para explicar minha mágoa e ou até para esquecê-la.


É claro que esse não é um trabalho fácil para uma pessoa absurdamente passional como eu. Sou movida pelos meus sentimentos, não pela minha razão. Mas venho aprendendo a lidar melhor com isso e tentando conter minha raiva.

Na verdade, venho tentando trabalhar é essa raiva, que existe em mim e por vezes se apodera, toma conta e me consome totalmente à razão. E como diz um velho ditado: a raiva é um veneno que a gente toma esperando que outro morra.

Na minha busca por me tornar um ser humano melhor, é esse o ponto X, aquele que mais devo trabalhar e me esforçar para conter. Ele faz parte da minha essência. Por que eu não sei, mas faz. Cabe a mim mantê-lo sob controle. É preciso que eu controle meus instintos, não que eles me controlem.

Aprender a calar é antes de tudo viver em paz. É possível argumentar, dialogar e chegar a um consenso com as outras pessoas quando respiramos fundo e pensamos um pouco antes de falar. 

E vocês, como lidam com a raiva? Sabem o valor de calar?
 

Por: Tuka Siqueira / @TukaSiqueira
Comentários
27 Comentários

27 comentários:

  1. Tem um frase que aprendi no curso de noivos: encha a boca de água e fique com a água na boca até a raiva passar. Não grite, não xingue, pense apenas.
    Às vezes não dá certo, mas evita arrombos desnecessários.
    Beijos
    Ana Carolina
    @anacarolinaqui 

    ResponderExcluir
  2. Tuka amada!

    Estamos no mesmo barco, to aprendendo a passos lentos a me controlar, tbém tenho evoluido, sei q a caminhada é longa mas não vou desistir.Já dizia o poeta, na vdd acho q Da Vinci...rs..A palavra vale prata, e o silencio vale ouro...quero ficar rica

    ResponderExcluir
  3. Nathália Martins9 de agosto de 2011 12:09

    Olá Tuka!
    Ótimo post, nos impulsiona a refletir e isso é ótimo.
    Por muito tempo 'o calar' me fez mal, porque eu não conseguia extravasar de outra forma e acabava sofrendo horrores que me traziam amargura... Isso dói! 
    Hoje sigo como você no silencio momentâneo até que possa esclarecer a situação e encerrar o assunto amigavelmente. 
    "A resposta branda desvia o furor."
    Beijos e ótima semana.

    ResponderExcluir
  4. Em primeiro lugar, gamei no teu blog.

    Criei uma frase para mim mesma: Palavra é DOM. Silêncio é SABEDORIA.

    Quando esqueço essa frase e deixo vir à tona um EU que não cala, vou ao espelho e repito essa frase até doer. É difícil. Mas se torna mais fácil quando percebemos que nosso silêncio incomoda mais qe nossas palavras. Ao menos comigo é assim. Em contrapartida tenho tempo para refletir se estou mesmo certa, se as coisas são como vejo. Existem ao menos 2 versões verdadeiras para cada história. Será que as duas são minhas? é isso que me pergunto. As vezes consigo. As vezes não.

    Me empolguei. Me identifiquei muito com seu texto.
    Xero

    ResponderExcluir
  5. sou absurdamente passional e controlar  raiva não é bem o meu forte, hehehe.
    mas a maturidade tem me ajudado bastante nessa luta.
    No meu relacionamento amoroso anterior, com o pai da minha filha, eu era emoção pura, não vivi o relacionamento, importunava o cara com minhas neuras e tudo e qq coisa era motivo pra eu estourar... e hj, sou uma 'monja' kkkkkk, ando com uma paciência absurda, falo pensando, sinto raiva mas administro bem esse sentimento, mas antes, passei um bom tempo sozinha, pensando sobre meus atos, meu comportamento, e falo isso para todos os aspectos da minha, família, amigos e amores (amor, Diogo, heheheh).
    Não é fácil, é um dia de cada vez, mas eu chego lá...

    beijos...
    Te alovú muitão!

    ResponderExcluir
  6. Queria muito saber parar, mas como vc não me controlo. Queria aprender a me calar em vários momentos, mas minha raiva é tanta que falo besteira! Sou impulsiva e isso faz mais mal a mim do que a qualquer outra pessoa!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  7. AMiga
    Eu já fui aquela de engolir tudo calada... depois passei para a fase de metralhadora ambulante... saía disparando sem pensar... agora estou tentando a ponderação... calar e falar nas horas certas, mas ô coisinha difícil, viu.. principalmente para quem tem temperamento quente como o meu e deve ser o seu tb... Mas a gente vai tentando... beijinhos

    ResponderExcluir
  8. flavia_shiroma_de_paula9 de agosto de 2011 14:00

    E bota difícil nisso hein Tuka!
    Enquanto lia seu post, fui me identificando muito!
    Antes eu era bem pior e hoje já sinto uma grande transformação. Mas sou ciente de que ainda falta chão! Sou como você, falo e falo e falo.....!
    E o incrível é que, enquanto eu estou falando, eu já sei que não deveria estar falando, mas mesmo assim continuo!
    Ainda bem que não estou sozinha. Assim podemos compartilhar coisas em comum assim aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu tento não explodi, mas qdo eu vi, já foi! Essa semana fiz um trato com o marido, a raiva vem, eu finjo que ta tudo bem e assim por diante, conclusao: mais de uma semana contendo a raiva.

    ResponderExcluir
  10. rsrsrs vamos ficar ricas então! bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Nathália. Adorei a frase. O calar por si só também não é bom. O bom é calar momentâneamente até a raiva se dissipar e só então falar. Bjs

    ResponderExcluir
  12. Obrigada Luiza pelos elogios. Eu já ouvi que a história tem sempre 3 versões: a minha, a sua e a dos outros. Qual é a certa? Talvez todas as 3, depende do ponto de vista. Por  isso a calma na hora de falar é tão importante. Beijos

    ResponderExcluir
  13. Esse amadurecimento nos ensina muito e estamos sempre aprendendo, quem não aprende nada com a vida, não evolui, fica estagnado. E vc é uma fofa! Bjs

    ResponderExcluir
  14. Dani, essa raiva é o tal do veneno... Realmente quem fica mais mal é a gente. Mas você, pelo menos por agora, tem desculpa. Gravidez nos tira mesmo dos eixos e nos rouba um tanto de razão... Beijos

    ResponderExcluir
  15. O tal do temperamento explosivo é que é o problema, mas a gente aprende. Nem sempre funciona, mas ajuda a diminuir os danos. Beijos

    ResponderExcluir
  16. E quando a gente desanda a falar não para mais né? Por isso estou tentando não começar, pois depois fica difícil parar, e se tento remendar, fica ainda pior... rsrsr

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Oi Kelly, só que fingir que tá tudo bem não é bem a solução. Porque aí a raiva acumula e uma hora explode. O bom mesmo é controlar na hora, mas depois, com calma, discutir o que levou à raiva. Beijos

    ResponderExcluir
  18. Ana Paula Lima Pereira9 de agosto de 2011 19:23

    Oi  Tuka, adorei este post e eu graças a Deus, quase sempre consigo me calar no momento certo. Sempre tive muito receio de jogar palavras ao vento, que jamais conseguirei recuperar.
    É claro que as vezes é difícil conseguir conter a raiva, mas de um modo geral, acredito que eu consiga. Todas as vezes que penso em extrapolar, lembro o quanto é doído ser ofendido.
    Bjs

    ResponderExcluir
  19. Paulinha, você é uma Lady! Acompanho teu blog e sei que está sendo sincera. Mas pessoas como você são minoria. Também penso no quanto dói ser ferido, mas às vezes é isso mesmo que quero: ferir, revidar. Por isso tenho tentado tanto manter o contrlole, pois sei o quanto isso é ruim.

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Tuka, querida
    Olha eu aqui de novo... vim para dizer que não sabia, mas temos uma amiga em comum... a Cida, do compartilhando... Ela foi lá no blog me pedir para te dar um recado... ela disse que não está conseguindo comentar aqui e pediu para dizer isso a vc... dizer tb que está sempre vindo aqui, lendo os posts, mas não consegue comentar... ela até deixou um com entário sobre esse seu post para eu transmitir a vc... È o seguinte...
    "Oi Tuka!Realmente, não é fácil mas é necessário muitas vezes calar.Pensar bem no que responder é ser sábio.Gostei muito do teu texto.Beijinhos... Cida."Muito querida, essa nossa amiga, né ?
    Bem, o recado está dado... beijinhos e bom dia

    ResponderExcluir
  21. Tuka,eu tento esse exercício todos os dias...calo,mas antes de calar eu mando "vou ficar quieta pra não me aborrecer...",rsrsrs, ainda quero a última palavra...Eu tbém sefico com raiva falo um monte de merda,coisas que me arrependo depois...às vezes caímos na tentação de achar que calar é aceitar ou ser otário...clara é sábio...bjs!!!

    ResponderExcluir
  22. Adorei o recado! Obrigada às duas! bjs

    ResponderExcluir
  23. Calar é sábio. Falar na hora certa, mais sábio ainda. Bjs

    ResponderExcluir
  24. Ouvi em algum lugar : "Nunca vi alguém se arrepender por ter ficado de boca fechada quando o assunto não lhe dizia respeito".

    :p

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  25. Ô Tuka, hj calo diante de coisas que não posso mudar, e até controlo algumas coisas, mas qdo abro o verbo, corram pq estravazo tudo q tiver guardado da pessoa ou da situação.

    ResponderExcluir
  26.   Tuka, querida
    esse post tem muito a ver comigo, sou muito nervosinha e ja magoei a mim e a muitas pessoas extrapolando sem pensar. Ultimamente tambem ando numa fase de pensar mais e segurar a lingua dentro da boca,exercitando pra me tornar um ser humano melhor, pois nao quero chegar no leito da morte me arrependendo das coisas que fiz e falei,  pedindo perdao a todos. mostrar arrependimento numa hora que ja nao teria como voltar atras nao iria me fazer melhor e nem iria fazer bem aos que estivessem do meu lado.
      Belo post!  beijOs

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...