Ache aqui o que você procura!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Há exatos 23 anos...

Com 1 ano
Passava um pouco da meia-noite e eu me sentia incomodada. Não sentia dor, mas um desconforto geral. Seria fome? Levantei e fui até a cozinha, fiz um chá e um ovo quente (que mistura!) e voltei pra cama.

Naquela noite, minha mãe enfermeira estava trabalhando, além de mim, só homens em casa: meu pai, o pai do meu filho, meus dois irmãos pequenos. Todos dormiam.

Na impossibilidade de dormir, comecei a repassar mentalmente alguns acontecimentos do dia. Apesar do repouso absoluto recomendado, tinha saído no dia anterior, tive médico e além do ônibus era preciso caminhar um trecho de subida intensa até o hospital. Exames de praxe, pressão continuava alta, repouso continuava recomendado. Mas na volta, resolvi passar na casa da minha tia que tinha tido bebê 3 meses antes e eu ainda não conhecia. Desci do ônibus no meio do caminho e fui até lá conhecer a Caroline. Emoção, subida de escadas, mais uma caminhadinha...

Aos 2 anos e meio
Voltei a me sentir incomodada. Levantei da cama novamente. Que falta me fez minha mãezinha nessa noite! Ela certamente teria me advertido a não ficar caminhando em círculos pela casa, mas foi o que fiz, na tentativa de aliviar o incomodo. Eram 2 e meia. Resolvi acordar meu pai.

Ele acordou assustado, vestiu a camisa do avesso e se apressou em me dizer pra ficar calma. Mas eu estava calma, só estava desconfortável. Ele é que estava em pânico! Me colocou no carro e me levou até o hospital, onde cheguei em pleno trabalho de parto.

Como eu não tinha dilatação, só contrações e um pequeno sangramento (que começou já lá no hospital) a tentativa era parar o trabalho de parto. Fui colocada num soro e impedida de levantar da cama. Jogada num canto como um bichinho, com dor e assustada, procurei ficar quietinha e não incomodar pra não ser incomodada. As dores que eram leves em casa, já eram fortíssimas, mas eu mordia o travesseiro e aguentava.

Adolescente rebelde
Fiquei lá a noite e a manhã toda. Me trouxeram café e depois almoço, mas eu não comi, não tinha fome. às duas e meia da tarde, o médico veio novamente me examinar e concluiu que deveria desistir de tentar segurar o bebê e então deixaria que ele nascesse. Me tirou o sorinho e mandou todos da minha família embora, pois como eu não tinha nada de dilatação, levaria de 10 à 12 horas até o bebê nascer.

Passada meia hora comecei a me sentir muito mal, com as dores mais intensas e uma vontade enorme de fazer força, sentia o bebê nascendo e comecei a chamar pelo médico. Nessa hora, o infeliz pôs a cara na porta e disse: deixa de fiasco guria, na hora de fazer não chamou ninguém! Lembrei de todos os palavrões que conhecia e gritei eles todos ali, queria ter tido presença de espírito para dizer que o que entrou era bem menor, mas deixa isso pra lá.

Então o médico veio, reclamando e dizendo que ia examinar essa fiasquenta, só porque a enfermeira disse que eu tinha ficado muda até aquele momento. Nem me examinou direito e já gritou: "traz a maca que tá nascendo!" e ainda teve a cara de pau de dizer pra mim: "segura mãezinha" e eu: "segura tu, infeliz, tô te chamando aqui há um tempão e tu dizendo que eu tava fazendo fiasco, te vira agora!" foi a minha vingança.

No quartel
Mal deu tempo de entrar na sala de parto, e na primeira contração o bebê saiu e eu fiquei tensa, o corpo jogado para trás, à espera do chorinho. Quando ouvi, relaxei. Minha única preocupação naquele momento é de que meu filho estivesse vivo. Foi então que o médico me mostrou ele e disse: "é um garotão!" Mas ele era muito pequenininho. Quando o tomei em meus braços, era tão minúsculo! Parecia que iria quebrar! Chorei muito. Levaram ele para a UTI e eu apaguei.

Esse é o relato do dia em que me tornei mãe. Não é um relato comum, tem situações engraçadas, outras tensas e dramáticas, mas é o meu relato, foi assim mesmo que aconteceu. Isso foi há exatos 23 anos. Eu me lembro de cada detalhe e nunca vou esquecer, porque nenhuma mãe esquece o nascimento de um filho, nem que passem 100 anos! É o momento mais revelador da nossa vida. Uma mudança drástica, uma explosão e amor até então desconhecida.

Esse amor, completa hoje 23 anos. Queria com esse relato, mostrar a ele o quanto sua chegada na minha vida foi importante, tanto que me lembro disso em detalhes. Filho, a emoção que senti ao te ver pela primeira vez, estou sentindo agora, escrevendo tudo isso. Meus olhos estão em lágrimas e meu coração apertado, de emoção, de saudades.

O amor que tenho por ti, meu filho, é tão grande que nem que eu quisesse muito, conseguiria medir. Feliz aniversário meu filho!

Com a mamãe. Foto atual.

Por: Tuka Siqueira / @TukaSiqueira
Comentários
13 Comentários

13 comentários:

  1. Que lindo! Parabéns pro filhão!

    ResponderExcluir
  2. que lindo, coisa boa poder manifestar nosso amor a esses "miúdos graúdos"
    bjoca

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, emocionante!!!! E que médico FDP Hein!!!!
    Bjos
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Q lindo relato, adorei saber mais um pouco da sua vida...Emocionante!
    As coisas não dar pra esquecer né? Agente leva pra vida toda.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  5. Emocionante Tuka...e que gatão hein...
    bjs amada...

    ResponderExcluir
  6. Parabéns para vc, e para ele também!

    Espero que essa data se repita por muitos e muitos anos!!!

    ResponderExcluir
  7. Ai guria me faz chorar mesmo...
    Quandovc escrevi nesse relato que estava comos olhos cheios d'água...os meus olhos já estavam faz tempo hehehehe
    que raiva deste doutor viu!
    Ainda bem que deu tudo certo...quero seguir seu exemplo de mãezona, pois ainda sou iniciante...e me emociono com o nascimento da Beatriz a 2 anos atras... Deus te abençoe! parabéns pro moço lindo que vc fez!

    ResponderExcluir
  8. Oi Tuka!!

    Não deu pra passar batido, ri muito quando li:
    "...queria ter tido presença de espírito para dizer que o que entrou era bem menor..." kkkkkk

    Parabéns ao seu filho e a você por tanto amor até hoje e sempre.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. que lindo! e que emocionante. e como sou Feita de Água, tô aqui afogada em lágrimas...
    que sempre haja saúde para todos vocês.
    bejins, me bloga, me tuíta.

    ResponderExcluir
  10. Renata C., UMA EXPATRIADA24 de julho de 2011 14:14

    Adorei esse Post! Parabens pra vcs dois! Ele faz aniversrio um dia depois de mim, n´? Mil bjs!

    ResponderExcluir
  11. Verdade Renata. Nunca mais esqueço do teu aniversário! Bjs

    ResponderExcluir
  12. Obrigada meninas, pelos comentários e felicitações!

    ResponderExcluir
  13. wilquilerle dias dos santos25 de julho de 2011 07:06

    Nossa que lindo!! Seu filho deve ter muito orgulho de vc, e sem duvida tb encheu os olhos de lagrimas ao ler sua declaracao..linda mesmo!!!

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...