Ache aqui o que você procura!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Saber esperar, saber aceitar

Tudo que acontece em nossa vida, sejam coisas boas ou ruins, servem para nos ensinar alguma coisa. Só sobrevive às suas "tragédias" pessoais quem for capaz de extrair delas algum aprendizado, alguma coisa boa para sua vida.

Mas o que pode haver de bom em eventos deste tipo? É difícil dizer, cada caso é um caso, cada pessoa reage de uma maneira, em um tempo diferente e cada um sabe o que é melhor para si mesmo, mas é preciso estar atento para não perder aquilo que a vida nos ensina.

Vou citar um exemplo que aconteceu comigo, primeiramente à partir de algo ruim, depois de algo bom, mas ambos os eventos resultaram em um aprendizado muito grande para mim, e o evento ruim que veio primeiro, foi uma preparação para o evento bom.

Vamos aos fatos. Quando tive aquela crise que resultou na descoberta da EM, tive que aprender a ESPERAR. Meu marido agora vai rir disso, pois o que mais me irrita nele é justamente ter que esperar por ele, que nunca tem pressa pra nada, mas foi à partir desta crise que comecei a ser mais tolerante com isso. 

Nunca gostei de esperar por nada, sempre fui impaciente, apressada, ansiosa. Quando me vi daquele jeito no hospital, queria saber logo o que eu tinha. Tinha minhas suspeitas é claro, mas queria ouvir dos médicos o que eu tinha e como iria me livrar daquilo. Já. Mas logo descobri que as coisas não eram bem assim.

Na EM tudo se processa muito devagar. O diagnóstico é difícil, pois não existe um exame capaz de detectá-la com precisão, são necessários vários, ao longo de meses, às vezes anos, antes que se defina o diagnóstico. Eu até tive "sorte", entre este surto e o diagnóstico conclusivo se passaram 10 meses. Mas esta suposta sorte se deveu ao fato de minha doença estar em plena atividade e já existir há alguns anos, só que como os sintomas eram brandos, foram confundidos por mim com cansaço, stress e coisas do tipo, me levando a negligenciar minha saúde e atrasar meu diagnóstico em pelo menos uns 4 anos.

Como dependo do SUS, conseguir realizar exames como ressonância, punção lombar e potencial evocado é difícil e demorado. Essa demora na realização dos exames gera uma demora nas consultas e no início do tratamento que é feito com remédios caríssimos (valores entre 7 e 8 mil reais uma caixa que dura um mês) e necessitam de processo para serem conseguidos. Tudo isso é muito frustrante. 

Mas aos poucos a gente vai entendendo que é assim que as coisas funcionam e embora não seja possível se conformar com isso, é preciso conviver com isso. Aprendemos a ACEITAR. Vamos aos poucos descobrindo que a doença não nos traz nenhuma certeza, muito pelo contrário, a imprevisibilidade passa a fazer parte da nossa vida.

Não é possível saber se a doença vai progredir, como vai progredir, quando será o próximo surto, que parte do meu corpo será atingida, se haverá remissão, se ficarão sequelas... Nada pode ser previsto. Não existe sequer uma lógica nesta maldita. Ela se manifesta quando quer e do jeito que quer. Diante disso, só nos resta esperar. 


Aí vem o evento bom, o nascimento das meninas. Com a chegada delas, esta lição se fez mais contundente. Primeiro precisei aceitar, porque queria mais um bebê e acabei ganhando três em pouquíssimo tempo, mas essa foi a parte mais fácil. Queria muito um menino, mas vieram mais três meninas, essa parte também foi fácil. 

Precisei parar de trabalhar, primeiro porque ficou muito cansativo pra mim essa jornada de casa, trabalho e muitas crianças e a fadiga é uma constante na minha vida por causa da doença e não posso forçar a barra com o meu corpo. Depois, porque ficou inviável pagar creche para duas (e depois três), era pegar o dinheiro de um lado e largar do outro, não compensava mais trabalhar. Foi preciso me organizar, criar uma rotina. 

Precisava ter paciência para ouvir o choro de uma enquanto cuidava da outra, sem me desesperar. Ainda agora, quando todas já estão maiorzinhas, é preciso jogo de cintura para atender uma de cada vez, nem sempre ELAS tem paciência para esperar. Essa é foi parte mais difícil.

Foi um aprendizado e tanto. Claro que isso não é um estalo, não acontece assim da noite para o dia, é um processo, lento, doloroso e que ainda está em curso. Também não pude ver isso no início, mas fui percebendo as mudanças à medida que aconteciam e não me rebelei contra elas, deixei que acontecessem. 

Mas este processo só foi possível à partir de um evento ruim na minha vida, algo doloroso e sofrido, que com o tempo se transformou em algo construtivo e que tem sido bom na minha vida.

Saber esperar que as coisas nos aconteçam ao seu tempo, saber aceitar o que a vida nos oferece, ao contrário do que possa parecer não é conformismo, nem comodismo. É saber usar o que temos para buscar e construir o que não temos, é ter paciência e não atropelar os acontecimentos, ter consciência que a primavera, florida e perfumada, só vai chegar quando o inverno terminar.

Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Sabe que ontem eu estava falando disso?
    saber aceitar e entender o que a Vida quis dizer com determinados acontecimentos.
    nem sempre é fácil, como vc explicou maravilhosamente no seu texto, mas no fim a gente acaba enxergando né?
    Tenho usado vc de exemplo pra minha vida... sempre que acho q algo está ruim e vou reclamar, penso q vc não reclama... e olha quanta coisa já passou...

    Obrigada por dividir suas experiências aqui!

    beijos Tuka!

    ResponderExcluir
  2. Temos que exercer nossa paciência e serenidade diariamente. Esperar faz parte do aprendizado!
    Bjs
    Dani

    ResponderExcluir
  3. Tuka, excelente post. Super bem escrito e esclarecedor! O aprendizado está ligado diretamente às experiências da vida!
    Muita força na peruca garota!
    beijocas,
    Mari

    ResponderExcluir
  4. Oi Tuka,

    teus textos são sempre reflexões fantásticas. Saber esperar e entender são coisas que me policio porque nem sempre consigo entender o que a vida impõe! bjs

    ResponderExcluir
  5. Nao sei esperar. e por não aceitar fico sem

    Bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  6. Tuka,
    Adorei o seu texto. Eu, antes de casar, também era como vc... Não sabia esperar.... Era ansiedade pura... queria tudo para ontem. DEpois casei, mudei de país, parei de trabalhar e tive um filho... foram tantas transformações na minha vida que me trouxeram boas e más lições. Uma delas foi essa: hoje sou uma pessoa bem mais serena e paciente... é isso mesmo ! Aos poucos, a vida vai nos ensinando a esperar...

    ResponderExcluir
  7. Temos que exercer nossa paciência e serenidade diariamente. Esperar faz parte do aprendizado!
    Bjs
    Dani

    ResponderExcluir
  8. Sabe que ontem eu estava falando disso?
    saber aceitar e entender o que a Vida quis dizer com determinados acontecimentos.
    nem sempre é fácil, como vc explicou maravilhosamente no seu texto, mas no fim a gente acaba enxergando né?
    Tenho usado vc de exemplo pra minha vida... sempre que acho q algo está ruim e vou reclamar, penso q vc não reclama... e olha quanta coisa já passou...

    Obrigada por dividir suas experiências aqui!

    beijos Tuka!

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...