Ache aqui o que você procura!

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Descolada ou reprimida?

Fui uma adolescente rebelde. Contestava meus pais, professores e até o governo. Fui namoradeira e isso era uma transgressão para a época. Aliás, ainda é, embora um pecado menos grave a cada ano que passa. Na época começava a se ouvir o termo "ficar" coisa que ainda hoje causa estranamento aos pais. Não sei se ainda se aplica, mas o que eu chamava de "ficar" era dançar com um mesmo guri a festa inteira e TALVEZ dar uns beijos na boca no fim da noite. Inocente, mas avançadíssimo para os padrões até então aceitáveis.

Comecei a trabalhar cedo, aos 13 anos. Não por necessidade, porque embora nossa vida tenha sido sempre muito difícil, não me faltava o essencial, mas porque eu queria mais do que o básico e tinha consciência que meus pais já me davam tudo o que lhes era possível. Em mais um ato de rebeldia contestei meus pais que desejavam que eu só estudasse e fui trabalhar. Por essas e outras atitudes sempre me considerei uma guria rebelde e até descolada. Puro blefe.

Ao longo dos anos fui percebendo que não era bem assim. Fui namoradeira não porque fosse avançadinha, mas por ser romântica e idealizar o amor perfeito, o príncipe encantado, a felicidade plena e eterna. Tenho enorme dificuldade em lidar com as minhas emoções e principalmente falar sobre elas. Quero coisas e sei exatamente o que eu quero, mas externar meus desejos e brigar claramente por eles é uma dificuldade enorme, como se eu só desejasse coisas ruins, proibidas, que não podem ser ditas publicamente, mas na verdade só desejo coisas simples que a maioria das pessoas também deseja. Tenho vergonha do que sinto, mesmo que seja amor. Falar sobre isso então, é um mico tipo king kong, me faz corar, gaguejar e ter tremedeira... Tenho pensamentos obscenos, falo muito palavrão, sou irônica e adoro contar piadas, mas nada disso aparece diante de pessoas com quem tenho pouca intimidade. Escrevendo então, sou muito formal até mesmo quando quero ser engraçada.

Em síntese: sou uma reprimida. Mas conseguir escrever sobre tudo isso é uma vitória. Será um sinal de que tenho cura?
Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. Parabéns pelo blog. Gostei dos textos.

    ResponderExcluir
  2. ameeeeiiiiiiiii!!!
    nossa adoro ler seus textos...
    tbm sempre tive vergonha de falar dos meus sentimentos, sempre acho q ou vão rir, ou é errado. a pouco tempo com o namorado q sempre me deixou muito confortável pra falar, é q tenho externado mais...
    e sim, vc tem cura. um passo de cada vez... vc chega lá \o/

    beijooos

    ResponderExcluir
  3. Querida Kátia, tive o privilégio de partilhar tua vida quando pequena de perto por morarmos próximas, toda vez que penso en ti sinto mais forte a admiração e o encanto que tua coragem me fazem sentir. Continua sempre linda e maravilhosa, a vida te dará sempre muitas recompensas. Um grande beijo, parabéns
    Selimar

    ResponderExcluir
  4. Como já conversamos esses dias, tive sorte "por você ser namoradeira" ...

    Entendo esta dicotomia entre descolada e reprimida... mas "se descolar" faz com que a gente se sinta mais a gente mesmo ....

    ResponderExcluir
  5. Como já conversamos esses dias, tive sorte "por você ser namoradeira" ...

    Entendo esta dicotomia entre descolada e reprimida... mas "se descolar" faz com que a gente se sinta mais a gente mesmo ....

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo blog. Gostei dos textos.

    ResponderExcluir

Que bom que você veio!
Deixe aqui a sua impressão,
opinião ou recadinho.
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...